A nova etiqueta no mercado

A etiqueta energética de produtos está a mudar. Visando tornar mais clara a informação disponível na etiqueta energética, a União Europeia reviu e otimizou a etiqueta de acordo com as necessidades do consumidor, sendo o regresso à escala de A a G a diferença mais significativa.

Que etiquetas serão novas em 2021

A introdução das novas etiquetas energéticas será organizada em etapas, dependendo dos regulamentos específicos da União Europeia. Em 2021, as novas etiquetas serão implementadas nas lojas físicas e online para os seguintes cinco grupos de produtos:

  • Aparelhos de refrigeração, como frigoríficos e congeladores, incluindo aparelhos de armazenagem de vinhos;
  • Máquinas de lavar roupa e máquinas combinadas de lavar e secar roupa;
  • Máquinas de lavar louça;
  • Ecrãs eletrónicos, incluindo televisores, monitores e ecrãs de sinalização digitais;
  • Fontes de luz (lâmpadas).

Para os demais grupos de produtos, também abrangidos pela regulamentação de etiquetagem energética como ar condicionados, secadores de roupa, aquecedores de ambiente e água etc., as novas etiquetas serão introduzidas assim que os respetivos regulamentos novos entrem em vigor.

Conheça as novas etiquetas energéticas

Pode ainda saber mais sobre as novas etiquetas energéticas para as várias categorias de produtos.

Aqui

E até 2021?

A nova etiqueta entra em exibição nas lojas físicas e online a partir de 1 de março de 2021. Até lá mantém-se em vigor a etiqueta atual.

Contudo, e para salvaguardar a distribuição atempada da nova etiqueta energética, alguns fornecedores estão já a incluir na embalagem dos seus produtos a nova etiqueta, em adição à etiqueta atual. Por este motivo, é natural que possa encontrar duas etiquetas energéticas dentro da embalagem do seu novo produto.

Estas etiquetas diferem em formato e grafismo, mas também nas metodologias de cálculo das classes energéticas dos produtos, sendo as metodologias da nova etiqueta mais exigentes. Como tal, as classes energéticas apresentadas numa e noutra etiqueta são diferentes, sendo expectável que a nova etiqueta energética apresente uma classe de eficiência inferior.

Esta diferenciação permitirá ao consumidor identificar mais facilmente os produtos mais eficientes no mercado, bem como motivar a indústria ao continuo desenvolvimento de produtos inovadores, mais eficientes e de menor consumo energético.